Empregos Online

Empregos Online : definitivamente, o melhor lugar do mundo para se trabalhar. Entenda como os Empregos no Japão já mudaram a vida de mais de 1 milhão de brasileiros descendentes de japoneses que foram a trabalho desde 1980.

Como começou a trajetória de empregos no Japão?

A partir de 1901, milhares de japoneses emigraram para outros países em busca de uma vida melhor por causa da guerra e da crise do Japão. No caso do Brasil, a imigração japonesa começou em 1908 e cessou na década de 1960 a sua grande emigração. Formou-se no Brasil, a maior comunidade japonesa do Mundo, de descendentes de japoneses que vive fora do Japão.

No final dos anos 80, ocorreu um fluxo migratório contrário entre o Brasil e o Japão, pois o Japão começou a era da tecnologia. Os brasileiros descendentes de japoneses, seus cônjuges com ou sem ascendência japonesa e seus filhos passaram a imigrar para o Japão à procura de melhores condições financeiras. O Brasil vivia a década perdida no final da ditadura, com inflação galopante e desemprego em alta, ao passo que a economia japonesa se expandia e necessitava de mão de obra.

Por que o Japão é o melhor país do mundo?

O melhor país do Mundo talvez não seja, ou seja para alguns. Como já morei por lá, sei o quanto é bom, e algumas vezes melhor do que aqui. Acontece que o tipo de trabalho é bom para alguns e nem sempre bom para outros. E como tinha meu apartamento no Brasil, tive que voltar.

Se você está aqui hoje, sabe como está o país. Estamos entrando em uma crise fora do comum, onde você não tem mais emprego, tem que pagar as contas, tem que comer, tem que ver a guerra ideológica, e tem que aguentar pessoas querendo que você fique em casa, por causa de uma doença que não vai te matar.

Por exemplo: A maioria dos lojistas de todo o Brasil, não vai morrer de covid-19, mas tiveram que fechar suas lojas para proteger outras pessoas. No Japão isso é proibido. As pessoas podem sair se quiser, e os donos de lojas fecham se quiser, apenas dos alertas, e pedidos de isolamento.

No Japão também não existe ideologia. AS pessoas não discutem em lugar nenhum por causa de política, aliás, eles estão pouco se lixando para o que os políticos estão fazendo. Faz parte da cultura deles não enganar o povo. Quando a corrupção acontece, os políticos são pegos e são presos e pronto.

Já vi algumas vezes isso acontecer em pleno refeitório no horário do almoço, e os japoneses sequer comentavam. Eles simplesmente gravam que é a pessoa e nunca mais votam nele, ou a própria justiça elimina o candidatos nas próximas eleições.

Lá também não existe fofoca. Assim como a palavra saudade, a fofoca é coisa que só existe no Brasil. Algo relacionado a cultura. Eles não sentem muita saudade, então a palavra nem existe, e também não falam pelos cotovelos sobre outras pessoas.

A única coisa que eu vi que existe no Japão, é o Ijime, ou Bullying, que acontece muito nas escolas.

Nas empresas, o que acontece muito é a mau-trato do chefe com o funcionário (brasileiro) quando este mesmo não respeita o superior ou não aprende o serviço rápido, mas também não é tão alarmante, ou ultrajante a ponto de colocar como tópico. Cerca de 10 empresas que você trabalhar, duas você pega um chefe chato.

Mas veja no Brasil como são as coisas… Numa mesma empresa já sofri tudo o que sofri em dez empresas no Japão. Lá você deixa de sofrer a medida que aprende o japonês. Aqui é a medida que trabalha direito, quando acham que você quer passar a perna, mas você só quer fazer como fazia no Japão. (complicado)

Mas não é só isso. Se você já foi nu restaurante que ficou cheio no Brasil, vai estranhar um restaurante cheio no Japão. A diferença do tom das conversas é bem de se estranhar mesmo. A ponto de você olhas para os lados e achar que tem algo errado, ou que não estão conversando porque você está lá.

Mas não se preocupe. Eles nem sabem que você está lá. O povo é educado e muitas vezes quieto em ambientes cheios, mesmo no horário do almoço e da janta em locais públicos. Salvo apenas em dia de Bonenkai.

Quando é festa de bonenkai a coisa muda de figura. E talvez no happy hour também, mas o nome já diz ne, HAPPY.

Como já morei 15 anos no Japão, sei do que estou falando. As coisas apesar de difíceis, são muito mais fáceis por lá, pois em tempos de crise, lá você recebe em dólar, e aqui o dólar já passa de 5 reais. Vai ser muito bom você ganhar cerca de 15 mil reais por mês, não acha?

Outro ponto interessante do Japão, é a ausência absoluta de ladrões e trombadinhas. Lá você não apanha na rua, não te xingam, não te roubam, mas nem se você deixar um pertence em algum lugar. Isso é tão gritante, que em muitos casos, quando você esquece a carteira em algum lugar, você volta correndo, tem gente na sua cadeira e sua carteira ma mesa sem a pessoa tocar.

Costumava deixar a bicicleta em qualquer lugar, aberta mesmo. Ou o carro parado com a chave no contato para comprar café no Seven, Family, AMPM, ou Lawson, e nada nunca aconteceu.

A única coisa que talvez eles peguem, disse “talvez”… são os guarda-chuvas, pois japonês odeia pegar chuva, kkk. Mas nunca me levaram os meus.

No Brasil hoje você é desrespeitado apenas por ser conservador. Ou apenas por ter uma opinião sobre algo que está certo, mas os outros acham que o certo é errado, como o politicamente correto. Lá isso também existe, mas como você não fala com ninguém, tanto fez como tanto faz.

Quando você mora no exterior, só quer saber da sua família ou de curtir o dinheiro que você ganhar, passeando ou comprando novas tecnologias, o que é o máximo! Conhecendo novos lugares, conhecendo gente nova, que não vai falar dos assuntos saturados que você só escuta aqui. Assuntos relacionados a problemas muitas vezes causados por terceiros muito longe de você. Isso é um saco!

Muita pessoas dizem que é difícil juntar dinheiro no Japão. Mas posso garantir a você que não.

Quando você abandona o seu país por um bom motivo, que é salvar a sua vida, nada disso importa.

Você se vê livre, conquista sua real liberdade, compra o que quiser, e quando atinge a meta, começa a guardar e juntar dinheiro, que se torna sua nova meta. O problema dos tempos atuais é apenas um…

Trabalhar e guardar dinheiro no Japão e pra que?

Exatamente. Você veio para o Brasil com o dinheiro que juntou no Japão, assim como eu. Ou tinha um bom emprego aqui e tudo isso se foi. Ou esta cansado de acordar e ver pessoas se matando por causa de governos ou ideologias baratas que não fazem sentido.

Depois disso tudo, onde morar?

Acredite se quiser. Apesar de estar trabalhando no Brasil, e estar bem encaminhado em minha vida profissional e familiar, adoraria morar no Japão. Porém para isso, teria que ter uma vida muito confortável por lá, para que minha família pudesse ter o mesmo padrão daqui.

Vejo atualmente, muitos descendentes jovens querendo partir, para terem uma vida melhor, e muitos empresários que fecharam seus negócios por causa da pandemia, e não querem mais abrir nada no Brasil.

Então sua resposta está dada. Estamos alinhados.

Se A, B e C, estão partindo, provavelmente todos têm razão. Chegou a hora de deixar o Brasil e partir para um mundo melhor, sem política e mimimi.

O Japão é sim, bem melhor que o Brasil, e não deixe ninguém que nunca foi pra lá te dizer o contrário. Mas chegando lá, não seja brasileiro. Tente ser um japonês ou uma japonesa, pelo menos nos costumes e respeito. Assim você entenderá o que é morar por lá.

Junte seu dinheiro em dólar. Numa conta digital. Nunca guarde dinheiro no Brasil e nem em conta bancária do Brasil, pois nunca se sabe não é? Podem sumir com seu dinheiro com qualquer papel assinado por qualquer um. Elimine tudo o que puder daqui, para nada te perseguir no futuro.

Mantenha seu nome limpo e lembre-se! Para juntar dinheiro no Japão, é só você sair pouco, trabalhar o máximo que puder, consumir em casa os alimentos, ir em restaurantes populares, que são muitos, e fazer os planos mensais mais baratos possíveis, como: telefonia, internet, luz, gás, água, tv a cabo, escola, aluguel, etc…

Para tudo o que você usa, sempre tem algo mais barato, e é só procurar. Economize! Seja forte! E depois me conte tudo como foi e como está sendo, isso se você leu este conteúdo antes de ir, rsrsrs.

Abs

Melhor País do Mundo – aí vamos nós.

Empregos no Japão

Qual o salário do Japão

Qual o salário do Japão? Emprego em AichiA realidade do Japão mudou com o coronavírus. O qual o salário do Japão está caindo, empresas estão falindo e o mercado não tem melhora, e nem um sinal, de que isso pare de acontecer. A média salarial japonesa em maio foi de 269 mil ienes, queda de 2,1% em relação ao mesmo período do ano passado. Foi o segundo mês consecutivo de queda durante a pandemia.

Empregos em crise em 2020?

Antes da pandemia o salário que chegava a 330 mil ienes em uma fábrica, hoje não passa de 200 mil, isso se a empresa não parar. Em alguns casos, onde a empresa parou, a falência é inevitável, chegando a atingir em junho mais de 110 pedidos de falência nas prefeituras de vários estados.

O salário de Empregos no Japão também está caindo sem parar, e não por que as horas ficaram mais baratas, e sim, porque as fábricas estão trabalhando menos. Empresas que trabalhavam 5 por 2, hoje trabalham 4 por 2 e com duas horas extras ou menos, o que reduz o salário em cerca de 30%.

O que está acontecendo é que as empresas que estão falindo, não são as mesmas que contratam brasileiros, portanto, os mesmos continuam trabalhando mas ganhando menos. Mas uma reação em cadeia pode acontecer. Quando muitas pessoas que perderam seus empregos migram para qualquer área, fazendo a concorrência ficar desleal para os brasileiros, que perderão suas vagas em breve, para os próprios japoneses.

Isso é claro se a pandemia continua. Temos que torcer para que o Japão melhore logo, e a crise tenha seu fim.

Há relatos de descendentes que nós enviamos a trabalho ao Japão, e estão desempregados no momento, depois de um ano trabalhando sem parar desde quando desembarcaram do Brasil, com nossa assessoria. Estamos trabalhando para a recolocação destes candidatos em vagas que surgem pelo Japão, mas em geral são em fábricas de alimentos, pois essas nunca param.

O problema é que isso continuar, não haverão mais vagas para colocação dos próprios brasileiros que estão por lá, quanto mais para os que estão aqui e querem embarcar a trabalho. Um situação nunca vista antes, mesmo na crise de 2008, que foi a pior crise Mundial e a pior do Japão em 3 décadas.

O governo do Japão continua ajudando milhares de pessoas com 100 mil ienes por pessoa, mas não é o suficiente, tendo em vista os gastos que são muito altos por lá. Vamos citar exemplos…

1 – Apartamento custa em média 50 mil ienes o aluguel. Assim já se foi metade da ajuda.

2 – Se a pessoa tiver carro, ela está perdida, pois só de estacionamento, gasolina e seguro, cerca de mais 15 mil ienes por mês.

3 – Água, luz e gás, pelo que eu me lembre, também juntos somam cerca de 12 mil ienes.

4 – Telefone celular mensal, cerca de 5 mil ienes, pois apessoa geralmente não cancela.

5 – Alimentação por mês, cerca de 30 mil ienes, para mais, mesmo o mais econômico.

Só isso já somam 112 mil ienes, o que não dá conta se for uma pessoa só. Ou seja, os solteiros estão sofrendo mais do que casais. Um casal recebendo de ajuda, 100 mil cada, provavelmente sobram uns 50 mil ienes.

Mas não são apenas estes os problemas enfrentados pela comunidade nikkey do Japão, tão pouco pelos descendentes que querem embarcar para Empregos no Japão. Existe um problema ainda maior para os próximos anos. A demanda crescente do japão por vietnamitas. Estes estão entrando no Japão aos milhares e sem parar. Há relatos de fábricas que haviam demitido centenas de brasileiros em janeiro, fevereiro e março de 2020, para a contratação de asiáticos, como chineses e vietnamitas, cuja mão de obra sai mais em conta.

Alguns anos atrás, em meados dos anos 2000, havia uma discussão que circulava por todo o Japão entre a comunidade de brasileiros que estavam bem empregados, com muita hora extra e sem preocupação, que era o seguinte:

  • Pessoal, temos que trabalhar direitinho, pois nunca se sabe o dia de amanhã.

E parece que esse dia está chegando…

Emprego para Mulheres no Japão

Emprego para Mulheres no Japão – Mulheres são prejudicadas com queda de renda, Crise no Japão, Quarentena no Japão, Pandemia no Japão, Queda de Renda no Japão, Empregos no Japão

Depois de ajudar a impulsionar um aumento notável nas listas de Empregos no Japão em face de uma população em declínio– as mulheres se tornaram as mais atingidas na recessão causada pela covid-19 no país.

Essa é uma das conclusões de um estudo sobre os danos à renda e ao poder de compra em diferentes segmentos do mercado de trabalho japonês, conduzido por economistas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts e da Universidade de Tóquio.

Os economistas computaram uma “variação equivalente ao consumo”, um indicador do impacto no consumo e na renda observados na crise.

Em média, a perda de bem-estar para os homens foi equivalente a apenas 1,1% dos ganhos, enquanto as mulheres tiveram uma queda de 3,4%. Os piores resultados foram para mulheres em Empregos no Japão irregulares, presenciais e com horário rígido, com uma perda equivalente a 9,75% dos ganhos, segundo o estudo.

“As trabalhadoras se saem pior que os homens e os efeitos negativos sobre o bem-estar para elas são três vezes maiores que os dos trabalhadores do sexo masculino”, escreveu Shinnosuke Kikuchi, do MIT, e Sagiri Kitao e Minamo Mikoshiba, da Universidade de Tóquio, em um estudo de 20 de julho.

Empregos no Japão irregulares

Os Empregos no Japão irregulares estão altamente correlacionados com a maior perda de bem-estar. Como mais de 50% das trabalhadoras são empregadas dessa maneira, elas foram impactadas desproporcionalmente pela crise econômica, disseram os economistas.

Para piorar a situação, 69% das trabalhadoras estão ocupando os cargos que foram severamente afetados, como em varejistas, restaurantes e hotéis, em comparação com 39% dos trabalhadores do sexo masculino.

As mulheres haviam liderado um aumento nas taxas de emprego desde que o primeiro-ministro Shinzo Abe defendeu uma iniciativa para aumentar o papel das mulheres na força de trabalho da terceira maior economia do mundo, depois de assumir o cargo em dezembro de 2012. O progresso em garantir mais posições de liderança para elas também permanece fora do alcance.

Ainda assim, muitos dos novos Empregos no Japão surgiram na forma de posições não regulares ou de contato com o público, que as deixaram mais vulneráveis à queda da atividade econômica provocada pelo coronavírus.

Os últimos números do mercado de trabalho em junho, divulgados na sexta-feira, continuaram mostrando que as mulheres em Empregos no Japão não regulares foram mais afetadas que os homens. Eles representavam 59% dos 1 milhão de Empregos no Japão que desapareceram nessa categoria em relação ao ano anterior.

Há “incerteza significativa sobre se vários choques que observamos agora terão vida curta ou longa e se serão repetidos várias vezes nos próximos anos”, escreveram os pesquisadores do MIT e da Universidade de Tóquio.

Crise no Japão, Quarentena no Japão, Pandemia no Japão, Queda de Renda no Japão, Empregos no Japão

Empregos no Japão

Emprego no Japão – Taxa de desemprego cai

Emprego no Japão – Taxa de desemprego cai para 2,6% em março no Japão, a taxa de desemprego era de 2,4% antes da crise de 2020 e 2021, mas há um novo mercado com as olimpíadas.

A taxa de desemprego no Japão ficou em 2,6% em março, em comparação com 2,9% no mês anterior, disse o Departamento de Estatísticas na noite desta quinta-feira, 29 de abril de 2021 — sexta-feira no horário local — já que o mercado de trabalho do país permanece relativamente estável, apesar da pandemia do novo coronavírus.

A taxa de desemprego era de 2,4% antes da crise da pandemia em 2019.
No mês, o país emergiu em um estado de emergência por causa da covid-19, que restringiu os jantares e bares noturnos nas regiões metropolitanas do país de 8 de janeiro a 21 de março. Mas tais restrições não resultaram em grandes perdas de empregos, até agora, graças a um programa do governo que fornece subsídios às empresas para manter seus empregados. O programa será reduzido a partir de maio, cobrindo apenas até 90%, em vez de 100%, dos benefícios aos empregados.

Empregos no Japão

As perdas de empregos têm se concentrado entre trabalhadores não regulares e empresas de atendimento ao cliente, como restaurantes e hotéis.

A economia do Japão deve ter encolhido 1,6%, ou um ritmo anualizado de 6,1%, no primeiro trimestre de janeiro a março, de acordo com uma pesquisa de analistas conduzida pelo Centro de Pesquisa Econômica do Japão. A economia deve voltar a crescer no trimestre abril-junho.

O mercado de trabalho também vem se recuperando em outros países, embora ainda seja mais fraco do que antes da crise da covid-19. Nos EUA, a taxa de desemprego em março foi de 6,0%, ante 6,2% em fevereiro, mas acima dos 4,4% do ano anterior.

Em dados divulgados separadamente sobre a disponibilidade de empregos no Japão, a proporção de vagas abertas para candidatos ficou em 1,10 em março, contra 1,09 em fevereiro. Uma leitura acima de 1 indica que há mais vagas disponíveis do que pessoas à procura de emprego.

Japão amplia estado de emergência para mais três prefeituras
Declaração ocorre no momento em que o Japão enfrenta uma onda de uma cepa de vírus mais infecciosa, a apenas 10 semanas antes do início da Olimpíada

O Japão está declarando estado de emergência em mais três prefeituras duramente atingidas pela pandemia de Covid-19, disse o governo na sexta-feira (14), em um movimento surpresa que reflete a crescente preocupação com a disseminação do coronavírus.

A última declaração ocorre no momento em que o Japão enfrenta uma onda de uma cepa de vírus mais infecciosa, a apenas 10 semanas antes do início das Olimpíadas de Tóquio, em 23 de julho.

Hokkaido, Okayama e Hiroshima se juntarão a Tóquio, Osaka e outras quatro prefeituras no domingo (16) sob estado de emergência até 31 de maio, disse o ministro da Economia, Yasutoshi Nishimura, que também é responsável pelas medidas contra o vírus.

De olho na economia, o governo havia proposto originalmente uma declaração de “quase emergência” mais direcionada para cinco prefeituras adicionais.

Empregos no Japão

Empregos no Japão – Como trabalhar no Japão?

Como trabalhar no Japão? – Nos últimos anos, o Japão tenha proporcionado mais oportunidades de empregos no japão para estrangeiros que não são descendentes de japoneses, isso devido ao fato da sua população estar envelhecendo, ocasionando assim em mais postos de trabalho.
O governo japonês cria incentivos para duas áreas em específico, como a de Tecnologia da Informação e Design, para contratar cada vez mais imigrantes e adaptar o currículo para preencher requisitos que as empresas buscam, não é fácil, mas se o seu sonho for trabalhar no exterior, existem agências de empregos que podem tornar o seu sonho em realidade.
Por que contratar uma agência?
A principal finalidade das agências é designar um especialista na procura de ofertas de emprego e o candidato ideal para a vaga em uma determinada empresa. Além disso, ele instrui na formulação de um currículo atraente e oferece dicas de competências fundamentais que podem ser reforçadas para aumentar as chances de conseguir a vaga.
Quais são os empregos mais comuns entre os brasileiros no Japão?
Existem muitos brasileiros trabalhando em fábricas no Japão, isso porque a facilidade de encontrar emprego na área é muito fácil, pois não exigem conhecimentos japoneses específicos.
Porém, há outros que costumam contratar muitos brasileiros:
Professores de idiomas
Engenharia
Tecnologia da Informação
Bancos
Moda/Design
Por que trabalhar no Japão?
Cultura
Um país que considera a produtividade algo rigoroso e de extrema importância, pode ser estressante e insolente para quem vem de fora, ou seja, se você não está acostumado com adaptabilidade e flexibilidade, o processo de trabalhar no Japão, pode ser complicado. Por tanto, se você pretende se mudar para o país, é preciso estar sempre receptivo e aberto às novas experiências que a cultura propicia.
Qualidade de Vida
Um dos países mais modernos e tecnológicos do mundo, possui uma qualidade de vida muito elevada e avançada e mesmo quem tem um emprego mais simples, consegue ter e manter uma vida agradável e confortável.
Salário mínimo
O salário mínimo japonês é calculado por hora, indo de 600 à 1.500 por hora trabalhada.
Por exemplo, um estrangeiro que recebe 800 ienes por hora trabalhada e tem uma jornada de 12h por dia, sendo 22 dias por mês, o valor da sua remuneração é de 211.200 ienes.
Convertendo para real, o valor é de em média R$ 7.775,24 mensal.
Como aumentar minhas chances de emprego no Japão?
Aprenda japonês e inglês
Possui o domínio do idioma local servirá de grande ajuda na disputa por vagas de emprego. Ter conhecimentos avançados de inglês, também é essencial e poderá ser considerado um diferencial.
Se especialize
A tendência para os próximos anos, é de que o governo japonês impulsione somente na contratação de profissionais altamente qualificados, portanto, qualifique-se e se torne um candidato de alto nível.
Pesquise sobre as empresas japonesas da sua área
Conhecimento nunca é demais, portanto, procure conhecer mais sobre as empresas em que você pretende atuar.
Crie círculos de amizade com quem já reside no Japão
Existem grupos em redes sociais de brasileiros que moram e trabalham no Japão, procure participar e aproveite para tirar dúvidas sobre como é o processo de imigração, busca do emprego e adaptação à uma nova cultura. Esse tipo de contato, pode gerar uma indicação.
Vale a pena trabalhar no Japão?
A resposta para essa pergunta é algo muito pessoal, mas assim como várias coisas na vida, sempre há vantagens e desvantagens que podem influenciar de forma significativa em nossas vidas. Em vista disso, é crucial analisarmos se estamos de fato preparados para abrir mão do nosso solo de origem, estar aberto às novas vivências em troca do desconhecido.

Como trabalhar no Japão sem ser descendente de japoneses?

Qualquer pessoa pode viver e trabalhar no Japão, desde que seja contratada por uma empresa japonesa e se qualifique receber o visto de trabalho. Existem diversas categorias de visto de trabalho, mas a exigência mais comum é ter um diploma de ensino superior ou 10 anos de experiência profissional na sua área de atuação.